Dar e Receber

A Ordem de Dar e Tomar é determinada pela nossa consciência. Ela serve como um equilíbrio e, portanto, à troca nas nossas relações. Assim que tomamos ou recebemos algo de alguém, nos sentimos obrigados a lhe dar algo também, algo de igual valor.
Isto significa que nos sentimos culpados até devolvermos algo equivalente a ele e assim liquidarmos a dívida. Depois disso, nos sentimos inocentes e livres em relação a ele novamente. Esta consciência não nos deixa em paz até que tenhamos equilibrado a situação.

Nós sentimos todos os movimentos de consciência como culpa ou inocência. Se alguém me der algo e eu compensar por isso, por exemplo, pagando o preço total, a relação termina. Ambos seguem os seus próprios caminhos novamente. Se eu pagar muito pouco por isso, a relação continua. Uma vez por eu me sentir culpado por isso. Por outro lado, pela pessoa ainda esperando algo de mim. Só quando eu tiver equilibrado completamente é que estamos livres um do outro.

Dar e Tomar com Amor
É diferente entre pessoas que se amam. Para além da necessidade de equilíbrio, o amor também entra em jogo. Isto significa que, assim que recebo algo de alguém que amo, devolvo mais do que o mesmo ou igual. Isto faz a outra pessoa se sentir novamente em dívida para comigo. Mas como ela me ama, também me devolve mais do que as demandas do equilíbrio. Desta forma, cresce a troca de dar e receber entre as pessoas que amam e com ela a profundidade da sua relação.

Desordens em Dar e Tomar
Uma desordem é: Eu dou menos do que recebi. Isto também se aplica ao contrário, se eu der mais à outra pessoa do que ela quer ou é capaz de dar de volta. Muitos consideram que é um amor especial quando banham o outro com o seu amor. Por exemplo, quando eles tentam lhe dar mais do que ele pode suportar. Desta forma, eles desequilibram a relação. Depois disso, a outra pessoa tem dificuldade em restabelecer o equilíbrio.

Qual é o resultado? A outra pessoa, a quem foi dado muito além do limite, deixará a relação. O desvio do equilíbrio causa o oposto do que o doador esperava. As relações de casal em que se dá muito mais do que se recebe devem fracassar. Assim como aqueles em que se toma mais do que se está disposto ou é capaz de dar. Por exemplo, quando a pessoa tem uma deficiência. No entanto, também há aqui um equilíbrio se a pessoa deficiente reconhecer que tem de receber mais do que pode dar e, em vez de fazer exigências, agradecer à outra pessoa do coração.

A gratidão também serve ao equilíbrio.

O Equilíbrio ao Passar Adiante
Nem sempre podemos equilibrar dando algo de igual valor de volta ao outro. Quem pode devolver algo igual aos seus pais? Ou a um professor que o ajudou durante anos?
Sentimos uma dívida durante toda a vida para com eles. Muitos querem escapar à pressão desta dívida, recusando-se a tomar mais deles. Eles se tornam pobres porque a pressão dessa dívida se torna muito grande para eles. Tornam-se recusadores da vida em vez de tomá-la ao máximo.

Há uma saída simples para equilibrar de uma maneira bonita e realizada: em vez de darmos algo em troca, nós o passamos adiante a outros. Especialmente para os nossos próprios filhos, mas também de muitas outras formas ao serviço da vida. Todos se sentem bem aqui, os doadores e os tomadores.

O Equilíbrio no Sentido Negativo
Também temos a necessidade de equilíbrio, muitas vezes ainda mais quando outros nos prejudicaram. Então também queremos prejudicá-los, no sentido de olho por olho, dente por dente.

Estranhamente, ambos os lados estão esperando por tal equilíbrio. Não só a vítima contra quem algo foi feito, mas também aqueles que fizeram algo a ela e neste sentido se tornaram culpados disso. A vítima está à procura de vingança. O perpetrador quer se livrar da sua culpa, expiando por ela.

Mas o que acontece na realidade? Se chega a um equilíbrio? Ou a vítima costuma fazer algo mais grave ao perpetrador? Quais são as consequências?
O perpetrador sente: Isto foi longe demais. Então ele procura um equilíbrio do seu lado, desta vez como a vítima. Para compensar ele faz algo ruim ao outro novamente. Muitas vezes mais do que serve ao equilíbrio. Desta forma, o equilíbrio aumenta no sentido negativo. Em vez de se amarem uns aos outros, tornam-se inimigos.

Vingança com Amor
A necessidade de equilíbrio, mesmo no sentido negativo, é insuperável. Temos de ceder a ela. Se tentarmos suprimir esta necessidade, colocamos a relação em perigo.Ao perdoar, o outro sai da relação de igual para igual para uma relação de inferior para superior. O perdão real só pode ser alcançado mutuamente. Por exemplo, por ambos não voltarem ao passado, nem mesmo em pensamento. Aquilo pode terminar para sempre.
A maneira mais simples de sair do círculo vicioso de mais e mais ferimentos mútuos seria uma pessoa ferir a outra um pouco menos em vez de ferir a outra da mesma forma ou até mais. Em outras palavras: pessoa também se vinga, mas desta vez com amor. Então a troca de dar e receber pode começar de novo no sentido positivo. Normalmente ambos se tornaram mais cuidadosos e estão mais atentos um ao outro. Como resultado deste equilíbrio, o amor deles se aprofundou.

fonte: wwww.hellinger.com

“O que dá e o que se recebe conhecem a paz se o dar e receber forem equivalentes. O equilíbrio entre crédito e débito é fundamental em todos os relacionamentos.”

Bert Hellinger

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: