Consciência Sistêmica

Muitos consideram que a consciência é a autoridade máxima e final à qual devemos nos conformar em todas as situações da vida. Isto tem a ver com o fato de que nossa sobrevivência está relacionada à obediência à consciência.

Cada família tem sua própria consciência. Com a ajuda da nossa consciência percebemos diretamente o que temos que fazer ou não para podermos pertencer a esta família. Se seguirmos as instruções desta consciência, temos uma boa consciência. isto significa: Temos certeza que podemos pertencer.
Se violarmos as instruções da nossa consciência, temos uma má consciência. Nos sentimos culpados. Qual é a sensação exata quando temos uma má consciência e nos sentimos culpados? Temos medo de colocar em perigo ou de ter perdido o direito de pertencer à nossa família.
A má consciência nos impele a mudar nosso comportamento de tal forma que tenhamos a boa consciência novamente, ou seja, que estejamos novamente seguros do nosso direito de pertencer ao nosso grupo.
A consciência na nossa família

O principal erro com a consciência boa e má é que pensamos que a nossa consciência tem validade geral, ou seja, não só para nós, mas para todas as pessoas. É por isso que muitas pessoas consideram a sua consciência como a voz de Deus na sua alma. Quando consideramos que pessoas que vêm de uma família diferente têm a mesma ideia, mesmo que as instruções da sua consciência sejam muito diferentes das instruções da nossa consciência, entendemos as dificuldades que surgem quando duas pessoas se referem à sua consciência. Eles querem forçar o outro a seguir a sua consciência em vez da sua própria.
Alguém é excluído da sua família se contradizer os padrões da sua consciência. Por exemplo, se ele se juntar a um grupo que tenha uma consciência diferente. A exclusão é justificada com a boa consciência da sua família e exigida por ela. Isto às vezes vai tão longe que este membro é morto. Ou uma mulher esconde um filho e o doa porque é considerado uma vergonha em sua família ter um filho fora do casamento. Ou ela aborta esta criança por medo da sua própria exclusão. Aqui vemos como a boa consciência pode ser hostil à vida. Por outro lado, quando uma mulher doa uma criança nestas circunstâncias, ou quando aborta uma criança, ela quer se livrar de seus sentimentos de culpa no sentido de equilibrar o dar e o receber, expiando por isso. Por outras palavras, ela faz algo contra si mesma. Ela pode ficar doente e querer morrer. Mas nem todos têm de expiar por si mesmos. É suficiente que outra pessoa expie em seu lugar. Isto também é um movimento de consciência. A expiação não precisa ser pessoal.

Quem deseja esta expiação?

O “Deus da Consciência”. Todos os sacrifícios oferecidos a ele, especialmente todos os sacrifícios de crianças, servem à sua reconciliação. Ou seja, eles servem para compensar a exclusão. Aqueles que estão dispostos a aceitar a expiação trazem bênçãos para aqueles por quem se sacrificam. Isto é uma mudança de compensação no sentido de: primeiro o sacrifício, depois a bênção. Este movimento de consciência funciona por trás das tentativas das crianças de salvar seus pais, querendo adoecer ou morrer em seu lugar. Ao mesmo tempo, este movimento de consciência é o movimento básico por trás de cada tragédia. No entanto, aqui está ligado a uma violação da ordem de precedência, em que alguém inferior toma o lugar de um superior sem ter conhecimento desta violação da ordem de precedência.

Por qual motivo?

A consciência lhe assegura que ele está ganhando assim um direito maior de pertencer à sua família.

A consciência na relação de casal

A desordem que a consciência pode causar em um casal pode ser vista no fato de que cada parceiro tenta converter o outro à sua consciência. Ele mede o comportamento do outro de acordo com a sua consciência e o julga como bom ou mau. Isto vale para ambos os parceiros. Ela reduz o respeito mútuo e o amor e leva a discussões intermináveis em muitos relacionamentos. Especialmente quando se trata de como as crianças devem ser criadas. O “Sim” na relação de casal. Como podemos nos libertar da desordem da consciência em nossa relação de casal? Ao reconhecer o parceiro e a sua família e a sua consciência como iguais à nossa. Então dizemos a ele: “Eu te amo como você é, exatamente como você é. Eu amo a sua mãe como ela é, assim como ela é. Eu amo o seu pai como ele é, assim como ele é. Eu amo a sua família como ela é, igual à minha”. Com isto demos um passo além da limitação da nossa consciência, um passo de amor. Conseguimos fazer o mesmo com os nossos filhos. Aqui podemos verificar, acima de tudo, se tivemos sucesso nesta etapa. Por exemplo, se dissermos a um filho internamente e mesmo abertamente: “Em você eu amo o seu pai como ele é, e serei feliz se um dia você se tornar como o seu pai”. Ou: “Em você eu amo sua mãe como ela é, e eu serei feliz se um dia você se tornar como sua mãe.” O que acontece com a criança, então? Vai ficar feliz. Porque ela ama ambos os pais como eles são. Estas frases têm outro efeito. A criança torna-se livre para o seu próprio caminho.

Consciência e Amor

Quem segue a sua consciência, rejeita os outros. Para poder pertencer à sua família, ele deve considerar os outros que são diferentes porque têm uma consciência diferente, ser menos bons e se considerar melhor do que eles. Assim, a consciência se opõe ao respeito e ao amor pelos outros, que são diferentes. Todas as distinções entre o bem e o mal e entre os escolhidos ou rejeitados, ou entre o céu e o inferno, provêm da consciência. Isso tem a ver com o fato de que criamos o nosso Deus em grande parte de acordo com os padrões da nossa consciência. Que Ele, portanto, ama somente aqueles que a nossa consciência ama, e exclui do Seu amor aqueles que a nossa consciência exclui do nosso amor. Claro, também os outros que têm uma consciência diferente têm um Deus que segue a sua consciência. Eles também excluem os outros invocando a sua consciência e o seu Deus. Por exemplo, nós. Desta forma, a boa consciência de uns e a boa consciência de outros torna-se uma linha divisória que separa as pessoas e os povos e as religiões. A sua boa consciência os coloca uns contra os outros. Justifica as piores crueldades contra os outros, por exemplo, nas guerras religiosas.

fonte: http://www.hellinger.com

“Nossa família está ligada a algo maio, a uma grupo, e este está ligado a uma consciência coletiva. Essa consciência não é consciente, é inconsciente e possui leis rígidas.”

Bert Hellinger

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: